Assistência Médica no Brasil em Grandes Números

A assistência médica no Brasil já teve seus altos e baixos quanto aos números de saúde suplementar, os quais estão diretamente relacionados ao momento econômico, jurídico e social brasileiro.

Toda essa arquitetura está relacionada diretamente ao poder de financiamento dos indivíduos e das empresas em custear planos que cada vez ficam mais caros.

A seguir iremos trazer a evolução de alguns números da assistência médica no Brasil para entendermos a variação e ter um retrato mais atualizado do nosso cenário.

NÚMERO DE USUÁRIOS EM ASSISTÊNCIA MÉDICA

Atualmente, o Brasil possui 48.566.216 usuários em planos de saúde suplementar, o que representa algo próximo a 25% de toda a população brasileira.

Em dezembro/2014, esse número já foi de 50.531.748 e, pouco depois da pandemia, mais especificamente em junho/2020, esse número chegou 46.696.574 usuários. É possível ver que toda essa variação embarcou diferentes momentos, representados por crise e progresso econômico.

A assistência médica também reflete mudanças do número de usuários conforme modalidade de operadora. Nota-se o destaque que as operadoras de medicina de grupo tiveram em razão do processo de verticalização do atendimento, uma das estratégias mais eficazes para o controle de custos.

AS IMPLICAÇÕES DO SEGURO E A RESPOSTA AO CONFLITO EM CURSO VARIAM DE ACORDO COM A LINHA DE NEGÓCIO.

Uma outra forma de avaliar a saúde suplementar é pelo tipo de contratação. Nesse caso, o destaque é para os planos coletivos empresariais, que representam 68,6% de todos os planos comercializados no Brasil.

Planos de saúde.

A TAXA DE COBERTURA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA NO BRASIL A taxa de cobertura de planos médicos suplementares atualmente atinge 25% da população e o destaque está para as regiões sudeste e sul do Brasil, onde há uma grande concentração da atividade econômica e, consequentemente, maior poder aquisitivo.

As regiões do interior são aquelas que encontram maiores desafios de cobertura assistencial, não somente pela escassa oferta de provedores, mas também pelo menor poder econômico.

TAXA DE COBERTURA POR COBERTURA ASSISTENCIAL DO PLANO E LOCALIZAÇÃO, SEGUNDO GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO (BRASIL - SETEMBRO/2021)

Mapa do Brasil

A população feminina coberta pelos planos de saúde supera a população masculina, o que praticamente segue a linha da distribuição indicativa do IBGE.

Tabela planos de saúde.

Um outro indicador bastante interessante aponta para os planos regulamentados (novos) e não regulamentos (antigos) de acordo com Lei 9656/98. Atualmente, 93,5% da população coberta por planos privados já dispõe de planos adaptados, contemplando todas as regras de coberturas mais abrangentes e dispositivos legais, como por exemplo uma faixa etária diferenciada (acima de 59 anos).

Tabela comparativa planos de saúde.

Com a tendência global de aumento da longevidade, a população mais idosa tem ocupado um lugar cada vez maior. O número de pessoas com mais de 59 anos que possuem planos de saúde suplementar já atinge 14,2% da população coberta.

Tabela de planos de saúde.

OPERADORAS EM ASSISTÊNCIA MÉDICA O volume de operadoras de planos de assistência médica vem diminuindo desde o início da Lei 9656/58, pois as novas condições instituídas trouxeram novos deveres e obrigações, necessidade por maior lastro financeiro, dentre outros pontos.

Abaixo é possível visualizar a evolução dessa diminuição do número de operadoras, caracterizadas principalmente pelas ações de fusões e aquisições que tanto temos visto no mercado.

Cabe ressaltar que o volume de operadoras com beneficiários é de apenas 706.

OPERADORAS DE PLANOS PRIVADOS DE SAÚDE EM ATIVIDADE (BRASIL - DEZEMBRO/1999-SETEMBRO/2021)

Uma outra forma de avaliar todo esse cenário é a concentração de usuários por operadora, fruto das ações de fusões e aquisições que vem ocorrendo no mercado e com uma tendência de maior concentração para o futuro.

DISTRIBUIÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS DE PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA ENTRE AS OPERADORAS, SEGUNDO COBERTURA ASSISTENCIAL DO PLANO (BRASIL - SETEMBRO/2021)

Tabela operadoras de saúde.

SINISTRALIDADE EM ASSISTÊNCIA MÉDICA

A sinistralidade apurada nos planos médicos historicamente navega entre os patamares de 80% a 90% e podem demonstrar diferenças de acordo com o modelo.

Podemos observar uma redução da sinistralidade no início da pandemia de Covid-19 para uma banda de 70% a 80% em razão do temor de contágio das pessoas em utilizar os serviços em um contexto eletivo.

Muitas pessoas deixaram de dar prosseguimento a tratamentos importantes ou dar sequência aos cuidados preventivos. É possível visualizar logo em seguida uma elevação da sinistralidade geral com a retomada da utilização (utilização normal + demanda reprimida).

TAXA DE SINISTRALIDADE DAS OPERADORAS MÉDICO-HOSPITALARES, POR MODALIDADE DA OPERADORA (BRASIL - 2019-2021)

ESTABELECIMENTO DE SAÚDE NO BRASIL Temos no Brasil mais de 267 mil estabelecimentos voltados ao atendimento de saúde no Brasil entre hospitais, clínicas, ambulatórios, prontos-socorros, etc. Destes, 48,2% atendem planos privados.

Planos de saúde.

ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE POR TIPO DE CONVÊNIO, SEGUNDO TIPO DE ATENDIMENTO (BRASIL - SETEMBRO/2021)

RECLAMAÇÕES DE SAÚDE NO BRASIL

Os índices de reclamação é algo crescente no Brasil e poucos foram os momentos de algum tipo de estabilidade. Os grandes alvos da reclamação não é o preço, mas sim, os eventos como cobertura, contratos e regulamentos.

A judicialização no contexto dos planos médicos está diretamente ligada a esses índices, o que representam impactos futuros e com vários desdobramentos.

DEMANDAS DOS CONSUMIDORES, POR CLASSIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO (BRASIL - JANEIRO-SETEMBRO/2010-JANEIRO-SETEMBRO/2021)

DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DE RECLAMAÇÕES POR TEMA DA DEMANDA (BRASIL - JANEIRO-SETEMBRO/2020 E JANEIRO-SETEMBRO/2021)

Como mencionado anteriormente, a dinâmica do mercado brasileiro de saúde suplementar está muito conectada a uma série de fatores socioeconômicos.

Todos os interlocutores demandam por uma atenção maior das autoridades para esse setor de forma a promover maior poder aquisitivo aos usuários, serviços de maior qualidade e com maior abrangência, previsibilidade, entre outros.

Talvez dessa forma poderíamos dar a acessibilidade aos demais 75% da população brasileira que atualmente estão restritos ao SUS.